<$BlogRSDUrl$>

quinta-feira, abril 29, 2004

100 nadinha mesmo! 

Que triste fiquei quando a luz se apagou, quando o sol se pôs e teimou em não nascer.
Sei porquê e sei que tens toda a razão, mas achas que não podes voltar um dia, assim como quem não quer a coisa e com aquele disfarce que ninguém (quase ninguém) te reconhecerá? Temos power ranger, lá la, viking e woody...

Vou morrer de saudades, até sempre, um beijo grande.


segunda-feira, abril 26, 2004

Baptismo de Bola! 

Foi pela primeira vez ao futebol, ao Benfica, como não podia deixar de ser, ou não fosse o paizinho benfiquista.
Adorou, torceu pelo clube, gritou de emoção com os golos, sofreu com o golo da equipa adversária, quis ver tudo, quis uma foto com a águia, chegou feliz a casa.
Ainda não sabe quem são todos os jogadores, mas sem dúvida já elegeu o Nuno Gomes como o seu favorito. Fica a ficha do jogo para mais tarde recordar!


sexta-feira, abril 23, 2004

30 Anos depois... 

Como não podia deixar de ser e porque o 25 de Abril mudou a nossa vida, aqui presto a minha homenagem, com a recordação de alguns momentos, (pela voz dos meus pais e com recurso a várias fontes da época):
24 de Abril 1974 - 22h55 - Através da rádio Emissores Associados de Lisboa e pela canção de Paulo de Carvalho (E Depois do Adeus) é dada a senha para o início do golpe.
25 de Abril 1974 - 00h20 - O programa Limite da Rádio Renascença passa a canção Grândola Vila Morena, de Zeca Afonso, que significa que as operações planeadas estão irreversivelmente em curso.
O Capitão Salgueiro Maia trava no Terreiro do Paço a contra-ofensiva do Governo, cercando depois o Quartel do Carmo, onde se refugiara Marcelo Caetano.
Marcelo entrega o poder.
A PIDE/DGS dispara sobre a multidão que cerca o edifício da R. António Maria Cardoso. Fazem 4 mortos e 45 feridos.
26 de Abril 1974 - 01.30h - A Junta de Salvação aparece ao País, via RTP (a preto e branco).
27 de Abril 1974 - Libertação dos presos políticos das cadeias de Caxias e Peniche.
16 de Maio 1974 - Tomada de posse do primeiro governo provisório, presidido por Adelino da Palma Carlos, com Mário Soares, Álvaro Cunhal e Francisco de Sá Carneiro.
25 de Abril 1975 - Primeiras Eleições livres para a Assembleia Constituinte.

As minhas recordações são poucas, era uma criança, lembro-me da agitação, da escola fechar, de se ouvir as notícias através do rádio e das conversas em voz baixa.

É bom viver em democracia! Valeu, por isso, a pena a Revolução.


quinta-feira, abril 22, 2004

Marina: O Livro...As ancas! 

A Marina há muito que anda empenhada e entusiasmada com os seus livros de aventuras.
Nós participamos, no entusiamo e no enredo!
Sempre que nos juntamos para café ou jantar há um qualquer pormenor novo na história.

No sábado passado, não fugindo à regra, fomos "presenteadas" com as ilustrações do livro.
Eram esboços de cada um dos personagens: estereotipados em feições com ligeiras diferenças de constituição fisica.

A aprovação foi praticamente unânime, o que não significou a identificação absoluta de cada com o seu esboço. "comia-se"!
O Tiago estava demasiado baixo, o André J. mais alto, o Miguel com muito ar de "galã do cinema mudo" e as raparigas muito iguais umas às outras: a Elsa e a Rita quase gémeas, a Ana F. muito pouco fashion e a Joana, essa é que deu que falar, a Joana com umas ancas e umas coxas 3 D!

Claro que sentido-se lesada na sua imagem, principalmente nas ancas uma mulher perde o controlo da situação e até o bom senso!
Foi um desfilar de críticas, lamúrias e apelos à compaixão da autora / Marina para alterar o "boneco".
Por favor Marina, não me podes por mais magra? E sem esse cabelo à jogador de futebol?
Ao que a Marina, impávida e serena respondia: "Não fui eu que fiz o esboço, limitei-me a descrever-vos e o meu amigo foi assim que vos imaginou!".

Os pedidos de amnistia duraram todo o repasto (uma canseira!) sem qualquer aparente sucesso.

Nos dias seguintes os telefonemas, as súplicas...

Cenas do próximo capítulo?!!! Quando é mesmo o n/ próximo jantar?

Prometo anunciar, divulgar, promover o livro da Marina quando for lançado (está para breve), tenho a certeza que vão divertir-se imenso, pelo menos com as ilustrações!!!

terça-feira, abril 20, 2004

Hoje é dia de festa... 

Cantam as nossas almas, para o menino Gonçalo, uma salva de palmas!

Parabéns Meu Amor, meu piratinha dos caracóis.
Passaram tão depressa estes últimos 4 anos, cresceu tão depressa este nosso pestinha, continuo a dizer que a vida corre rápida demais.

Está tão feliz o nosso princípe, recebeu um Rex - cão policia (de plástico, of corse!) e foi feliz para o colégio, que por mero acaso resolveu presenteá-lo com uma visita ao Museu do Brinquedo, em Sintra e logo à tarde velas para soprar, a dobrar!, um bolo com fotografia (como ele tanto queria) no colégio e bolo grande de chocolate em casa.

Que sejas muito feliz meu Amor e que as tuas piratarias continuem a animar os nossos dias!


quinta-feira, abril 15, 2004

Publicidade 

Filhos
GALP - "queremos muito mais!", querem muito mais doces, muito mais brinquedos, etc, etc, tudo o que lhes convém, dizem "queremos muito mais"

NIKE - "Olé", se não lhes agrada a conversa dizem Olé, quando alguém desconhecido se mete com eles, marcha outro Olé, Olé pra isto, Olé prá quilo...Tirem-me deste filme!

Mãe
Jonhie Walker - Por favor, quem é que se lembrou de tal ideia, aquela gente toda a mergulhar, a saltar que nem golfinhos, a invadir uma praia tão simpática, parece uma evasão ET, cada vez que passa o anúncio tenho de olhar para o lado, aquilo dá-me calafrios na espinha...

Pai
Não é esquisito, qualquer anúncio a cremes adelgaçantes, gel de banho, etc lhe serve, basta uma bela coxa e a coisa resulta!

quarta-feira, abril 07, 2004

Em falta 

Já faz algum tempo que tenho umas almofadas para por no meu sofá, daquelas por onde costumo saltitar.

Tenho andado desleixada com isso, hoje resolvi colocar algumas e tornar o meu sofá ainda mais bonito.

Vão ficar a faltar-me algumas, entre elas a doende que não sei o que se passa mas não consigo entrar no blog.
O sofá fica mais compostinho hoje, cheio só para a próxima.

terça-feira, abril 06, 2004

Não sei! 

porque é que, ainda, vou escrever hoje... O dia foi simpático, muito simpático, temperatura de verão, disponibilidade total, cortes de cabelo, baloiços, filmes infantis, gelados e muita risota.

Mas neste momento, após ter passado os olhos por alguns posts da blogoesfera fiquei com um amargo de boca, uma sensação de vazio.
Pareceu-me extremamente egoista da minha parte apregoar constantemente a minha felicidade e ver como pode existir em alguns corações tanta tristeza.

Aprendi, com alguém que infeliz e prematuramente já partiu, que a felicidade e a vontade de criar têm de nascer, viver e ser estimuladas por nós próprios. Que não devemos afundar-nos nas nossas tristezas como se fossem únicas e imesuráveis, que há sempre algo que podemos fazer para nos sentirmos melhor.

À que lutar para conquistar! tudo e nada...há batalhas que não valem a pena, mais vale dá-las como perdidas e seguir outro caminho, partir para outra batalha.

Tristeza maior que não ter saúde, que não ter que comer, que não ter um único amigo, sei lá talvez exista, mas... Muitos dos que padecem de uma ou mesmo todas estas tristezas conseguem dar a volta por cima, porque não tu, ou ele?

Talvez já tenha divagado demais. Não posso ver ninguém infeliz por tanto tempo, muito menos alguém que gosto.

Por favor, tenta, sê feliz! sejam! vale a pena, o tempo voa, à que aproveitar cada minuto, amanhã pode ser tarde!
Um beijo do tamanho do mundo.

segunda-feira, abril 05, 2004

Momentos são... 

a vida a acontecer!
O cheirinho a bébé, os barulhinhos inimitáveis, um sorriso do tamanho do mundo, um beicinho indescritivel...de lindo!
as mãozinhas sapudas que vão agora sendo descobertas, as bolhinhas que espreitam e voltam a entrar, a excitação de ver uma cara conhecida, o choro, da fome que termina ainda o biberão não vai a meio, aquela expressão de anjo perdida num sono tranquilo de quem não tem pressa.
a xuxinha, a determinação com que a substitui pela mão quando a perde.

A alegria que nos dá cada vez que olhamos para ela, a vontade que o tempo passe muito devagar para podermos saborear cada momento.

Ter um filho é viver cada momento, saber usufruir de cada instante em toda a plenitude.
Ter um filho é fantástico, a melhor coisa do mundo! Ter três é indefinivel, imesurável, a felicidade absoluta.
(tendo em conta todo o trabalho e preocupações que implica, obviamente!).

This page is powered by Blogger. Isn't yours?